Walker’s Haute Route – O que levar para um trekking nos Alpes

Preparamos esse artigo com informações e dicas sobre o que levar para o seu trekking na Walker's Haute Route, um dos trekkings mais lindos dos alpes e do mundo.

A escolha do que levar para um trekking nos Alpes depende muito do tipo de trilha e como você planeja dormir entre cada localidade. Uma das facilidades da Walker’s Haute Route é que na maioria das paradas, existe uma boa infraestrutura de hotéis e albergues pra acolher os viajantes. Nas localidades mais remotas, os refúgios são comuns e com um bom serviço.

A escolha de acampar é pessoal. Levando em consideração que você não vai acampar, a regra é levar pouca coisa. A regra de ouro aqui é – quanto menos coisas você levar, menos sua mochila vai pesar (rimou! hehehe), e quanto mais leve a mochila, mais você vai curtir o trekking. O objetivo aqui é você aproveitar a paisagem sem dores ou raiva por ter levado coisa a mais. Nesse artigo, vou listar o que levar baseado na nossa experiência em mais de 135 quilômetros de trekking nos Alpes com conforto e tranquilidade.

Booking.com

Vestimenta

Seguimos o tradicional sistema de camadas, mas não muito à risca. Mesmo o trekking sendo realizado em altitude (próximo aos 3000 metros), no verão, as temperaturas podem ser bem elevadas. Então durante o dia, não é necessário usar segunda pele e várias camadas de roupa e casacos por cima.

Vestimenta - O que levar trekking.

Então tá, agora que você sabe que o trekking no verão faz muito calor, você não vai levar roupas de frio pra não carregar muito peso, certo? Errado! A temperatura nos Alpes muda repentinamente. Pode até nevar em pleno verão! Sem falar que durante a noite, faz frio! Se vestir em camadas pode fazer a diferença durante a noite, para dormir. Portanto, é bom estar preparado para todos os cenários possíveis.

As vestimentas que levamos são:

1x Segunda pele (calça) da Eddie Bauer (Midweight Freedry Merino Hybrid Baselayer Pants) composta de 48% merino wool, 48% polyester e 4% spandex. A gente usou para dormir, como pijama e funcionou direitinho.

1x Par de luvas Trek 500 Mountain Liner da Quechua. Não levamos nenhuma outra camada e foi usada principalmente durante a noite, quando fazia mais frio.

4x Pares de meias de hiking da marca J.B. Field’s Super-Wool Hiker GX Socks. Elas são compostas de 74% merino wool, 20% nylon e 6% Lycra Spandex e são de cano longo, ideais para botas mais altas com suporte para o tornozelo. Levamos 4 unidades pra não ter problema com meias molhadas, mas olhando direitinho pra essa quantidade hoje, acho que 2 pares seriam mais do que suficiente.

1x Par de calças de trekking. Optei por usar uma que podia ser convertida em short. Não precisamos em nenhum momento de um calça impermeável. Essa funcionou perfeitamente, mesmo em dias de chuva.

2x Camisetas Dry-Fit. Usamos as da Quechua que são bem baratinhas e cumprem com o objetivo. Usamos durante todos os 10 dias de trekking. A gente sempre tentava lavar a camisa durante o banho. Enquanto vestia uma, a outra secava na parte de traz da mochila para os próximos dias. Não leve mais do que isso para o trekking, vai ser peso extra!

1x Fleece Polartec 100 (leve). Esse é um fleece leve, que permite uma boa transpiração sem perder a capacidade de aquecimento e que pesa muito pouco. Usei um fleece da Columbia (recomendo) e Gabriela um da MEC (marca de equipamentos e roupas aqui do Canadá). E foi praticamente a peça de frio mais usada no trekking, principalmente durante a manhã de cada dia.

1x Anorak da MEC Hydrofoil Stretch. Uma jaqueta a prova de água e vento, respirável, com 2.5 camadas Pertex Shield, 40-Denier e com bolsos frontais embaixo dos braços. Não posso reclamar dessa jaqueta. Ela nos manteve secos e protegidos do vento durante todos os dias de trekking.

1x Jaqueta de pena de ganço da Downlight Stormdown da Eddie Bauer. Ela tem um fill-power de 800 (muito bom, normalmente 650 já deixa você quentinho), o que foi o suficiente pra manter a gente quente quando precisava. Pra falar a verdade, usamos bem pouco. Acho que uma ou duas noites em refúgios, e foi isso. Entretanto, mais vale ter com você uma jaqueta de frio mais forte do que passar aperto se a temperatura cair sem avisar.

Equipamentos e Acessórios

1x par de botas de trekking. Eu usei a Salomon Quest 4D 3 GTX e a Gabriela usou a La Sportiva Nucleo High GTX. O importante aqui é que ela tenha um solado antiderrapante (razões óbvias) e o cano seja alto que segure bem o seu tornozelo (pra evitar torção, principalmente em terreno irregular como é o da Walker’s Haute Route). Isso vai trazer conforto e vai impedir acidentes indesejados!

Dica: quando chegar no seu destino final seja ele hotel, hostel, cabana ou refúgio, ao tirar o tênis, retire também as palmilhas e deixe do lado de fora para secarem junto com as meias. Use sempre o par de meias reserva para o próximo dia e guarde o que estiver secando para ser usado consecutivamente.

Equipamentos e Acessórios - O que levar trekking.

1x Par de crampões, leves, daqueles de silicone que encaixam nas botas. Item opcional mas que pode ser útil principalmente ao atravessar os glaciares da Walker’s Haute Route. Nós não levamos e mesmo passando por áreas com gelo, não foi necessário. Mas se você quiser se precaver, é um item que pode ajudar, principalmente no começo da temporada (fim de maio – início de junho).

1x Lanterna de cabeça da Black Diamond Spot Headlamp (300 lúmens). A gente comprou essa lanterna para subir o Cotopaxi. Acho que você não vai precisar de algo tão potente assim. Ela é a prova de água (IPX8) e tem vários modos de iluminação que podem ser úteis. A lanterna funciona com 3 pilhas AAA e a bateria pode durar até 175 horas. Usamos principalmente nos albergues e nos refúgios durante a noite.

2x Trekking poles Black Diamond Trail Ergo Cork. Itens obrigatórios para esse trekking. Eles já vem nos acompanhando em todos os hikings e trekkings que fazemos por aí e são excelentes. São expansivos, podendo chegar até 140 cm.

1x Mochila de Trekking Forclaz Easyfit 50L da Quechua. O ideal é ter uma mochila de capacidade média, com suporte pra trekking poles e que seja confortável para carregar tudo durante vários dias. Essa mochila da Quechua foi ótima. Levamos também uma mochilinha da mesma marca de 10L para carregar os itens pessoais no aeroporto e/ou nas cidades (Genebra, Berna e Zurique). Se você for acampar, recomendo uma mochila de capacidade maior. Essa foi suficiente pra carregar tudo e mais a comida de 1-2 dias.

1x Kit de primeiros socorros. Sabe esses que você acha em farmácias ou lugares especializados já pré montados? Levamos um desses. Item essencial para trekkings de longa duração.

1x kit de refeição para acampamento, com talheres, copo e recipiente de plástico para comer durante a trilha. Também levei uma faca retrátil para cortar o que precisasse durante o trekking. Outra coisa legal foi levar aqueles saquinhos com zíper de plástico pra colocar a comida (queijo, salame ou castanhas) e não melecar nada dentro da mochila (detalhe aqui pro lixo – nunca deixe nenhum lixo, nenhum saquinho de plástico na natureza. A gente quer que as próximas pessoas que passarem por esse paraíso tenha a mesma experiência maravilhosa que a gente teve!)

1x Carregador portátil da Anker de 21000 mAh. Mesmo que você tenha acesso a energia elétrica durante todo o trekking (vilas e refúgios), ter um carregador portátil pode ser útil principalmente em situações de emergência se você precisa carregar a bateria da máquina fotográfica, ou o celular pra acessar GPS ou ainda para fazer uma ligação de urgência. Usei poucas vezes, mas se não tivesse o carregador, poderia ter tido problemas na hora de carregar o celular.

Alimentação

Felizmente, devido a boa infraestrutura que a Walker’s Haute Route disponibiliza, você não vai precisar levar muita comida na mochila durante o trekking nos Alpes. Claro que isso é uma decisão pessoal, principalmente se você quer economizar dinheiro (tudo é muito caro na Suíça).

Alimentação - O que levar trekking.

O café da manhã e a janta foram normalmente oferecidos na hospedagem (o famoso “Demi-Pension”). Agora a comida que consumimos durante a trilha em si, dependia bastante do destino final. Cada cidade/vila tinha um supermercado que não necessariamente tinha as mesmas coisas dos dias anteriores. Por isso, a gente comprava basicamente:

  • Frutas para consumo no dia (normalmente maçã, laranja, banana, uva, mirtilo, etc). A qualidade das frutas na Suíça foi de impressionar!
  • 200g de queijo (mais ou menos). Pedíamos a recomendação dos funcionários do supermercado pra escolher a melhor opção. Cada dia foi um tipo diferente. A minha dica é guardar o queijo em um saquinho porque ele vai ficar meio molenga e vai soltar aquela gordurinha maravilhosa que pode sujar suas roupas.

Dica: quando for comprar queijo, peça recomendação dos funcionários do supermercado. A maioria dos mercados tem uma sessão exclusiva para queijos e uma pessoa responsável pelo corte e pela pesagem do queijo. Outra estratégia é ver se algum suíço está comprando queijo e pedir a mesma coisa. O risco é alto de comprar algo ruim? Talvez, mas pelo menos é um suíço que sabe mais de queijos do que a gente, presumo.

  • 100g de defumados. Era no olho mesmo. O defumado que dava apetite a gente comprava.
  • 2x Cenouras ou brócolis ou pepinos (ou a combinação entre eles hehehe) cortadinhos.
  • 1x Pacotinhos de tomate tipo cereja.
  • 1x Barra de proteína da Clif. Compramos as barras aqui no Canadá e levamos cerca de 8 cada um. Deu e foi o suficiente.
  • Pão ou bolo que a gente levava do hostel ou refúgio. Não era permitido na maioria das vezes, mas a gente levava mesmo assim. A gente comia junto com o queijo e o defumado.

Hidratação

Do ponto de vista dos líquidos, bebemos basicamente água durante toda a trilha e nada a mais. Pra não ser injusto, a gente tomava uma cerveja quando chegava no nosso objetivo final, mas isso não conta! Levamos o seguinte:

1x Garrafa de água de 1L da Analgene de plástico. Enchíamos todas as manhãs e no decorrer da trilha, a medida do possível. A gente tinha uma camelback pra carregar na mochila de 2L, mas como existem várias fontes pela trilha, levar muita água é sinônimo também de levar mais peso. Encher a garrafa não foi um problema durante o nosso trekking. Vai com fé!

1x Pacote de 50 pastilhas de purificação de água. Necessário para purificar a água em fontes e lugares suspeitos. Li em vários relatos pessoas que passaram mal ao beber água durante o trekking. Cada pastilha é capaz de purificar 1L de água, mais do que o suficiente. A gente usou principalmente pra purificar a água nos refúgios

Dica: Nos refúgios a água é geralmente imprópria para consumo por diversas razões. Eles vão te cobrar 8 francos (mais ou menos) por uma garrafa de 2L de água. Como eu não sou besta e menino moleque que sou, usei a pastinha nessas ocasiões e estou vivo pra contar a história.

Conclusão sobre o que levar para o trekking nos Alpes

Saber o que levar para um trekking nos Alpes como a Walker’s Haute Route é importantíssimo e pode sim ser um fator que vai influenciar o sucesso ou não do seu trekking. Isso a gente fala por experiência própria. Trekkings longos como esse testam a sua capacidade de planejamento e nunca é demais pensar sobre o que você está colocando na mochila ou vestindo. Se pergunte sempre se é necessário, e seja sincero com você mesmo. A trilha não muda, é você que tem que se adaptar a ela.

Gostou do post?

Você acha que ele pode ser útil pra mais alguém? Compartilhe! E olha, o post não acaba por aqui. Estamos curiosos pra saber as suas sugestões, opiniões e dúvidas aqui embaixo nos comentários!

Quer apoiar o Férias Contadas?

Sabe aquela coisa de que você não precisa ser milionário pra ajudar os projetos que você acredita? Pois bem! É assim que a gente funciona. Você pode apoiar o nosso filho Ferias Contadas de várias formas: curtidas, comentários e compartilhamento dos posts, inscrição na newsletter, apoio financeiro e o céu é o limite (até massagem no pé tá valendo hehehe)!

Quer apoiar a gente? CLIQUE AQUI pra saber como!

Deixe um comentário!