Today as the present

O presente é hoje

Você já parou pra pensar como são os melhores momentos da sua vida? Como é o seu estado de espírito em cada segundo de felicidade? Foi pensando nisso que eu comecei a criar umas das possíveis narrativas sobre como a felicidade aparece e como a gente sente ela no presente. Vai que entendendo melhor como ela acontece a gente não consegue replicar mais vezes esses momentos? Tentar não machuca e pode dar certo.

Toda vez que eu faço trekking, que estou experimentando um prato gastronômico novo ou que estou viajando me flagro em estado “presente”. Pra mim, estar presente nada mais é do que estar ali de corpo e alma. É como se a terra parasse de girar e o universo desse uma pausa pra observar a minha saliva encostando naquele pedaço delicioso de bolo de laranja – naquele momento a coisa mais importante é o que eu estou fazendo – comendo um bolo de laranja. Como eu amo doces, eu poderia ficar o dia todo aqui escrevendo uma lista de doces maravilhosos que fazem o meu mundo realmente parar. Mas viver o momento presente vai muito além de comer – pode acontecer quando a gente está respirando ar puro ou vendo aquele visual surreal em um lugar especial.

O corpo e a mente presente

O nosso corpo e a nossa mente são as únicas coisas comuns em todos os momentos especiais da nossa vida. Isso quer dizer que esses safadinhos controlam a nossa percepção e a maneira que a gente sente as coisas. Os nossos sentidos de audição, visão, olfato, tato e paladar podem nos transportar para o momento presente e transformar nossas experiências em situações fora do comum de maravilhosas. Genial! Agora é só parar tudo que estou fazendo e sentir as coisas que eu vou me sentir mais feliz? Sim! Mas calma, porque isso não é tão simples assim.

Conseguir sair da rotina e conseguir perceber o mundo a nossa volta exige energia. E com a correria em que a gente vive, a nossa energia é um recurso escasso. E como a gente lida com recursos escassos? Isso mesmo, usando com sabedoria pra não se esfolar todo no final do mês (um beijo pras aulas de introdução a economia que me ensinaram essa definição de escasso e que hoje eu tento enfiar em tudo que eu vejo pela frente). Reservar um pouco de energia da sua rotina pra ouvir o barulho do cachorro do vizinho do quarteirão do lado, pra ouvir a sua música preferida antes daquela reunião difícil e pra ouvir a sua respiração podem ter efeitos muito mais maravilhosos do que você pensa.

Esse vai ser o nosso acordo

O corpo humano é muito mais auto-suficiente do que a gente pensa. Não saber usar nossos sentidos é como ter uma Ferrari na garagem sem ter permissão pra dirigir – NÃO TEM NENHUM SENTIDO. Eu declaro hoje, aqui, nesse SEGUNDO nosso acordo de que todos os dias a gente vai parar PELO MENOS um minuto pra ouvir nossa própria respiração. Estar presente não vai me fazer ser feliz instantaneamente, mas, é impossível estar feliz sem estar vivendo o momento presente.

Quer apoiar o Férias Contadas?

Você pode apoiar o nosso filho Ferias Contadas de várias formas: curtidas, comentários e compartilhamento dos posts, inscrição na newsletter e o céu é o limite (até massagem no pé tá valendo hehehe)!

CLIQUE AQUI pra saber como!

Deixar uma resposta