Nosso roteiro pela Colômbia – Parque Tayrona

No total foram 3 dias desbravando o Parque Tayrona, ou Parque nacional natural Tayrona, uma das reservas ambientais mais importantes da Colômbia e onde você vai encontrar praias paradisíacas e muito descanso.


Por Assunto


Como chegamos

A entrada principal do Parque Tayrona (El Zaino) fica a cerca de 32 quilômetros da cidade de Santa Marta. Você pode optar por ir com transporte público (ônibus saem de Taganga) ou com alguma agência pra fazer um passeio de um dia e voltar para Santa Marta no final do dia. Foi o que a gente fez. Fechamos 3 passeios distintos, um para cada dia. Se você quiser conferir na mesma agência que a gente fechou os nossos passeios, o nome é Magic Tour Colombia. Todos os passeios incluíam o guia e a entrada ao parque. No primeiro dia, visitamos o Cabo San Juan, no segundo Playa Cristal e no último, Bahia Concha.

Pra chegar em Santa Marta, pegamos um voo pela empresa Viva Colombia de Bogotá. A Viva Colômbia é uma empresa low-cost colombiana que oferece voos entre as principais cidades da Colômbia. O preço é muito bom, mas espere um serviço de bordo que vale o preço, se é que você me entende! No nosso caso, cobraram até pela água.

Onde nos hospedamos

Nos hospedamos em Santa Marta em um hostel super confortável chamado Flamingo Hostel & Coworking (antigamente chamado de Hostal La Esmeralda). Ele fica na Calle 14 No. 3–42, bem pertinho do Parque Bolívar e do centro histórico de Santa Marta. Hoje, eles funcionam como um espaço de trabalho compartilhado, mais ainda tem quartos disponíveis para hospedagem.

Ficamos em um quarto compartilhado com café da manhã incluso. O café da manhã era servido no terraço do hostel, que tem uma vista incrível pro mar e como a gente saia bem cedinho pros passeios, éramos sempre os primeiros a ter o café preparado. Além disso, o pessoal da recepção ajudou a gente bastante com tudo que a gente precisava, inclusive com a reserva do transporte de Santa Marta até Cartagena. Recomendadíssimo!

Booking.com

O que fizemos

Cabo San Juan

Começamos a nossa visita ao Parque Tayrona pelo Cabo San Juan, uma praia lindíssima acessível somente por uma trilha. A praia é famosa pra quem curte acampar, mas também é possível fazer um bate volta de um dia. O acesso à Cabo San Juan é feito pelo Setor Zaino e após o estacionamento, você vai pegar uma trilha e caminhar por cerca de 2 horas. Toda a dificuldade de acesso é recompensada pelo paraíso que é Cabo San Juan. 

Dica: Falando em repelente, compre da marca Nopikeks. Deixe para comprá-lo em Santa Marta, pois só lá você vai encontrar. Vimos várias pessoas usando outros repelentes (inclusive o famoso Off) e voltando com picadas do tamanho de morangos. Com o Nopikeks não tivemos nenhuma picada!

Depois de uma pequena palestra sobre o parque na entrada, o ônibus te deixa no ponto inicial da trilha. A caminhada começa bem tranquila, dentro da floresta, com um caminho de madeira sem muitas subidas. Entretanto, não demora muito pras subidas aparecerem. Vimos várias pessoas que não foram preparadas para o tranco, principalmente idosos, desistindo e voltando para o ponto o estacionamento.

Um dos momentos mais marcantes da viagem pra mim e pra Gabriela foi quando vimos o mar entre as árvores depois de mais de 3 anos de separação forçada. Parece besteira, mas parecíamos duas crianças de tanta alegria e só era a primeira praia de toda a trilha. A sensação foi ainda maior quando o caminho se tornou só areia e as árvores desapareceram para dar lugar ao mar.

Ponto de venda de suco de laranja na trilha até o Cabo San Juan, Parque Tayrona.

ℹ️ Curiosidade: Durante a trilha, você vai poder comprar água de coco e suco de laranja, vendidos pelos índios da região. Não se assuste se você ver um criança manejando um facão e cortando os cocos. Isso é bem comum por lá!

A chegada em Cabo de San Juan é perto da hora do almoço. Se você for pra fazer o bate volta com uma agência, o guia te dá umas 3 horas para aproveitar o local. A gente não perdeu tempo e foi diretamente para a praia para matar a saudade do mar e descasar um pouquinho da caminhada. Aproveitamos o máximo possível e deixamos um tempinho reservado para o almoço mais para o final.

Falando da praia, a água verde clara estava morninha e bem cristalina. Além disso, como o acesso ao local não é tão simples, a praia não é cheia e isso pra gente é muito importante! Só não invente de andar descalço, pois o sol é muito forte e quase queimamos os pés na areia quente da praia.

Cabo San Juan foi uma experiência incrível. Em um mesmo dia fizemos uma trilha pela floresta, tomamos água de coco e vimos e aproveitamos lindas praias! Foi um dia para guardar na memória.

Playa Cristal

Pra mim, um único dia de descanso pleno pode eliminar todo o estresse e ansiedade acumulados durante meses. Playa Cristal foi exatamente isso. Um local isolado, quieto, sem muitas pessoas, onde conseguimos dormir, rir, comer e enfim descansar.

Playa Cristal é de difícil acesso e fica em uma região mais à oeste de Cabo San Juan. A entrada no Parque Tayrona é feita pelo setor Palangana. Os procedimentos de entrada são praticamente os mesmos que no Setor Zaino. Temos que descer do ônibus, assistir uma palestra sobre a preservação do parque enquanto o guia compra as entradas e regulariza a nossa situação.

Dava pra ver Playa Cristal desse mirante.
Dava pra ver Playa Cristal desse mirante.

Antes de chegar à Playa Cristal, fizemos uma parada em um mirante para apreciar a vista da Playa de las Siete Olas. Tiramos várias fotos e penso que muitos não perceberam, mas do mirante era possível ver um pedacinho de Playa Cristal.

10 minutos depois do mirante, chegamos no ponto (Naganje) onde não existe estrada e o único modo de chegar à Playa Cristal é através de lanchas, que normalmente já estão inclusas no pacote. A viagem é super tranquila, rápida e o melhor, a vista é sensacional. A praia vai ficando cada vez maior e a impressão é que estamos chegando em um paraíso inexplorado.

Playa Cristal, Parque Tayrona.

Playa Cristal não tem quase nenhuma infraestrutura, além das barracas de praia, algumas mesas para deixar os pertences e um restaurante. Além disso, somente areia branquinha, mar verde-claro e sossego! A quantidade de vendedores ambulantes era muito pequena. Destaque para a vendedora de cocadas que me fez gastar um bom dinheiro com os doces que à muito tempo não comíamos.

Me diz se não dá pra descansar com essa vista? Playa Cristal, Parque Tayrona.
Me diz se não dá pra descansar com essa vista? Playa Cristal, Parque Tayrona.

✅ Dica: Ao chegar na praia você é abordado pelo pessoal do restaurante que irá anotar o seu pedido. O motivo é que eles já vão preparando os pratos enquanto você aproveita a praia. Mesmo que você não goste de gastar dinheiro com comida em praia, sugiro almoçar em Playa Cristal. A comida é deliciosa e preparada de uma forma bem caseira. O valor do almoço não estava incluso no pacote e se não me engano saiu por volta de 50 000 COP pra duas pessoas. Aproveitamos também para tomar suco de maracujá e lulo.

Bahia Concha

Posso começar dizendo que esse foi o pior dia da viagem. Várias coisas deram errado e por causa da nossa falta de informação, acabamos perdendo um dia que poderia ser usado em outros passeios. Resumindo, se puder, evite Bahia Concha!

Primeiramente, Bahia Concha não se localiza dentro do parque Tayrona propriamente dito. É uma praia de fácil acesso perto de Santa Marta e que não exige nenhum controle na entrada (ou seja, pode-se levar de tudo, comida, bebida, lixo, etc.). Então, onde esperávamos uma praia paradisíaca e relativamente calma, encontramos um local lotado, sujo e barulhento (sem contar os vendedores ambulantes que não nos deixaram em paz por 1 minuto sequer). Pra completar, a chuva e o tempo nublado nos acompanharam durante todo o passeio.

Fechamos todos os nossos pacotes na mesma agência, mas temos a impressão que eles não tinham gente suficiente para lotar um transporte e nos colocaram em uma van convencional (daquelas que qualquer um pode pegar com um preço super mais em conta). Nesse passeio éramos os únicos estrangeiros.

O caminho até Bahia Concha saindo de Santa Marta não demora mais do que 40 minutos. Passamos por várias comunidades e logo entramos em uma estrada de terra rumo à praia. Na chegada, fomos aconselhados a ficar no meio da praia, pois os outros locais eram muito perigosos para o banho. Conversa fiada do guia! Ele tinha acordo com o restaurante do meio da praia e caímos direitinho na conversa.

Independente disso, sentamos na barraca, passamos protetor solar e esperamos um pouco antes de entrar na água. Doce ilusão. Não consegui colocar o pé no mar. Gabriela até arriscou caminhar um pouco e acabou descobrindo que mais para leste de onde estávamos, a praia era linda com água cristalina, mas já era tarde demais.

Conclusão sobre o Parque Tayrona

O Parque nacional natural Tayrona é um lugar incrível, com muita coisa pra fazer. O nível de conservação e a seriedade que eles têm com relação à isso é de tirar o chapéu. Outra coisa que impressiona, são as suas praias, pouco conhecidas dos viajantes e que vão te dar alguns momentos de muito descanso e prazer. Só fique atento aos lugares mais conhecidos e aproveite bem a sua estadia no Parque Tayrona.

Deixe um comentário!