Vietnã, um país de estereótipos antiquados


Não sei você, mas eu tinha uma série de estereótipos de como deveria ser o Vietnã. O Vietnã mostrou que a maioria deles não era como eu pensava. Nos dias que passamos pelo país, tivemos várias surpresas e aprendemos bastante sobre esse país incrível.

Posso começar pelo acesso à internet. Esperava não ter acesso ao Gmail ou ao Google Maps. Pois consegui acessar tudo no Vietnã. Esperava ter bloqueios de internet e censura à sites de notícias estrangeiras como CNN ou BBC. Pois todos eles estavam disponíveis. É evidente que deve haver algum tipo de controle e censura, mas não consegui notar nada enquanto estava por lá.

Esperava um país que consumisse somente macarrão de arroz e carne, mas encontrei um país de diversidade culinária que nunca vi antes. A quantidade inimaginável de pratos, frutas, carnes, temperos e aromas que experimentamos vai ficar na memória. Não repetimos um prato sequer nessa viagem. Cada refeição era uma descoberta surpreendente.

Por último, e talvez o que mais me surpreendeu. Esperava um povo ressentido por tudo que o aconteceu no passado. Da colonização às guerras que o país sofreu no último séculos. Pois encontramos um país aberto, com população extremamente amável e acolhedora. O passado parece ter ficado no passado, pelo menos era isso que víamos por lá. Os mais velhos realmente olhavam para os estrangeiros com olhos cruzados. Entretanto, os mais jovens não ligavam muito. Muitos até paravam a gente para praticar um pouco de inglês ou somente para ser simpáticos.

Enfim, esperava um país autêntico de muitos contrastes. Pois encontrei exatamente isso. O Vietnã se mostrou uma grande surpresa, nos deixando incomodados, alegres, tristes, felizes, assustados, descontraídos, em alerta, relaxados, de tudo um pouco. Os estereótipos não faziam mais sentido, eram de fato antiquados.

O que você achou?

Adoraria saber sua opinião, sugestões e perguntas nos comentários abaixo.

Oi, me chamo Marcos Amaral

Viajar pra mim sempre foi mais do que somente ir para outro lugar, tirar fotos ou contar o número de países que já visitei. Pra mim, viajar é viver experiências, sentir sensações únicas. Adoro escrever sobre elas. Mais do que um relato, tento traduzir o que vivi pra fazer você viajar comigo. Sou casado com a Gabriela e hoje, viajamos pelo mundo em busca de experiências únicas.

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *