Nosso roteiro pela Guatemala


Último país de nossa viagem pela América Central. A Guatemala foi quase um “déjà vu” para nós. A cultura, a culinária e o jeito das pessoas nos lembraram bastante o que vivenciamos nas cidades de Oaxáca e San Cristóbal de las Casas, no México. Foi uma visita rápida de 5 dias, mas que foram intensas e inesquecíveis.


Por Localidade:

  1. Cidade da Guatemala
  2. Antigua
  3. Flores
  4. Tikal

Cidade da Guatemala

Preferimos não ficar nenhum dia na capital da Guatemala. Assim como San José (Leia mais) e Manágua (Leia mais), a Cidade da Guatemala só serviu mesmo de conexão para Antígua e Flores. Entretanto, no pouco que ficamos por lá, gostamos mais da cidade do que das outras capitais centro-americanas que visitamos.

Como chegamos

Voo pela Copa Airlines vindo de Manágua, Nicarágua.

Antígua

Ficamos 3 dias totais em Antígua. Acho que foram suficientes. Deu pra conhecer bastante coisa e apreciar a beleza dessa cidade. Comparada à Cidade da Guatemala, Antígua parece que parou no tempo. Vale a pena a visita e se tiver pouco tempo na Guatemala como nós, escolha Antígua sem medo.

Como chegamos

Na primeira vez fomos de taxi direito do aeroporto da Cidade da Guatemala. Pedimos o taxi na saída do aeroporto e barganhamos um pouco para pagar menos. Eles vão tentar empurrar uma opção mais cara, mas fomos com o taxi branco normal e foi tudo ok. O trajeto durou em torno de 1h.

Na segunda vez, quando voltamos de ônibus de Flores até a Cidade da Guatemala, já havíamos reservado um transporte privado para nos levar à Antígua. O transporte privado foi reservado no hostel em Flores 👍.

Onde nos hospedamos

Nos hospedamos no El Hostal. A diária incluía o café da manhã. Não tenho nada a reclamar desse hostel. Super bem localizado, limpo, com restaurante e bar no interior. Parecia que estávamos na casa de um parente 🤗.

O lounge era super aconchegante. O principal aqui foi o atendimento. Tudo que precisava eles nos ajudavam: shuttle para o Aeroporto, passagem pra Tikal, perguntas diversas, etc. Recomendo.

El Hostel, Antígua.

O que fizemos

Antigua é uma cidade que dá facilmente pra passar vários dias. São muitas atrações, feiras de artesanato, igrejas, etc. Focamos no principal.

Tanque La Unión

Nada mais nada menos do que um tanque público onde as pessoas podem lavar suas roupas. Era mais usado antigamente, até como ponto de encontro da sociedade local. Hoje, ele é ainda usado, mas sua beleza e cores são os atrativos principais.

Museo de Arte Colonial

Museu onde se encontram várias obras de arte e esculturas que contam um pouco da história da Guatemala. Fizemos uma visita guiada que durou por volta de uma hora. O local está passando por renovações (em 2017), e o que me chamou mais a atenção foi a falta de cuidado com as obras. O guia tocava em tudo e não havia muito controle do que poderia ser tocado ou fotografado. Mesmo assim, vale a pena a visita. Detalhe importante, a imagem que aparece na nota de 100 quetzal é a do pátio central do Museu de Arte Colonial (confere aí embaixo).

Plaza Mayor

O ponto central da cidade de Antígua. Aqui você vai poder ver a catedral da cidade, o Palacio de los Capitanes Generales e muito mais. Como o clima da cidade é bem agradável, vale a pena sentar por uns 30 minutos só pra ver a vida acontecer. Você vai ser abordado por muitos vendedores de artesanato e de quinquilharia, mas conta como experiência.

Catedral de San José, Antigua

Igrejas e Conventos

Antígua é a cidade das igrejas e conventos. Muitas ainda em funcionamento e outras em ruínas devido ao grande terremoto que destruiu a cidade séculos atrás. Visitamos a Iglesia La Merced e o Convento Capuchinas.

Arco de Santa Catalina

O arco de Santa Catalina é o cartão postal de Antígua. Ele fica na rua mais badalada da cidade, onde os mercados artesanais, restaurantes e lojas disputam a atenção dos turistas que passam por ali todos os dias. Em dias com clima mais aberto é possível ver o Vulcán de Agua. Não foi o nosso caso, mas ainda assim gostamos da vista.

Cerro de la Cruz

Tire uma manhã pra visitar o Cerro de la Cruz. Você pode chegar de táxi, tuc tuc ou andando. Achamos os preços das duas primeiras opções um pouco abusivos e decidimos ir com a cara e a coragem a pé. Escutamos que o caminho ao cerro é  bem seguro e com policiamento constante então não tivemos dúvidas.

A subida não dura mais do que 30 minutos. O local possui vários banquinhos onde da pra descansar um pouco e admirar a vista da cidade. Ficamos por lá por 2 horas sem fazer nada além de olhar o céu, a cruz, a cidade e o vulcán de Agua de plano de fundo.

Cerro de la Cruz, Antígua, Guatemala.
Vista do alto do Cerro de la Cruz, em Antigua.

Onde comemos

A maioria dos restaurantes que visitamos foram escolhidos através do TripAdvisor. Eles são:

  • Rincon Tipico – 3a Avenida Sur. Talvez o melhor e mais tradicional restaurante que comemos em toda a viagem. Esse vale um post à parte (prometo que sai rapidinho).
  • Toko Baru – 1a Avenida Sur. Comida super saborosa. Um misto da culinária centro-americana com a indiana.
  • Café Estudio – 2a Calle Poniente.
  • Taco Bell – 4 Avenida Sur. Porque ninguém é de ferro!

Flores

Ficamos 1 dias em Flores, contando a chegada e a partida. É o ponto obrigatório antes de visitar Tikal, que fica 70 km de lá. A ilha é bem pequeninha, dá pra conhecer tranquilamente em umas 2 horas batendo perna por lá.

Onde nos hospedamos

Ficamos hospedados no Hostel Los Amigos. O hostel possui dois prédios na ilha. O prédio da recepção é onde fica a galera mais festeira. Muito barulho, o bar funciona noite a dentro, e entra quem quer, até quem não está hospedado por lá. Compensou, a noite de lua cheia, com a lua virada pra janela do nosso quarto.

Onde comemos

No próprio hostel. Por mais que o hostel não nos agradou em vários quesitos, o restaurante servia boas refeições com preços satisfatórios.

Dica: Se você chegar na cidade por avião, ao invés de pegar um táxi, você pode optar por ir andando até a ilha de Flores. Fizemos isso e recomendamos. A caminhada não é longa e não é muito perigosa, além de economizar com o táxi.

Tikal

Última parada da viagem antes de voltarmos para casa, Tikal foi a cereja do bolo. Fizemos o passeio do nascer do sol, o que foi a melhor coisa que nos aconteceu. Tikal foi um boom de natureza, contemplação, amizades e muita informação. Vai ficar na memória. Leia mais.

Nascer do sol mais belo que já presenciei em toda minha vida.

Conclusão sobre a Guatemala

A nossa experiência na Guatemala foi rápida, mas intensa. Passamos por tudo, vivenciamos muitas coisas e revivemos algumas memórias de mochilões anteriores. A Guatemala tinha muito mais a oferecer, muitos vulcões, belezas naturais, que nos pediriam muitos outros dias por lá, mas que infelizmente não tínhamos 😒. Valeu Guatemala e América Central por essas experiências inesquecíveis que vivemos.

O que você achou?

Adoraria saber sua opinião, sugestões e perguntas nos comentários abaixo.

Oi, me chamo Marcos Amaral

Viajar pra mim sempre foi mais do que somente ir para outro lugar, tirar fotos ou contar o número de países que já visitei. Pra mim, viajar é viver experiências, sentir sensações únicas. Adoro escrever sobre elas. Mais do que um relato, tento traduzir o que vivi pra fazer você viajar comigo. Sou casado com a Gabriela e hoje, viajamos pelo mundo em busca de experiências únicas.

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *