Cusco, o nosso centro do universo por alguns dias


Cusco, capital do antigo império Inca, que no dialeto local significa “umbigo do mundo”. Era considerada pelos Incas o centro do universo. Pra mim, tal nomenclatura não poderia fazer mais sentido. Cusco foi para nós um ponto central de conexão para conhecer as ruínas mais próximas (Sacsayhuamán, por exemplo), o famoso vale sagrado e Machu Picchu. Seria para nós o centro do mundo, do nosso mundo, por alguns dias. Entretanto, tiramos um dia para desfrutar dessa incrível cidade.


Leia mais


No primeiro dia, conhecemos a Plaza de Armas. Primeira vez que escutaríamos esse nome e que se tornaria comum em nossos mochilões pela América Latina. As imponentes Catedral Basílica da Virgem da Assunção e Iglesia De La Compania De Jesus chamaram a atenção assim que atravessamos a rua em direção ao centro da praça. Foi na Igreja da Companhia de Jesus que ouvimos pela primeira vez alguém pedindo “propina”.

Já no Convento de Santo Domingo, tivemos a nossa primeira amostra das pedras perfeitamente encaixadas e simétricas. Na verdade, você encontrar pedras incas por todos os lados. Praticamente todas as casas do centro histórico foram construídas de alguma maneira com elas. Mas foi no convento que a perfeição chegou ao máximo.

Inca Cola acompanhada de um delicioso frango com arroz e salada.

Foi também perto dali, em um restaurante local, que provamos pela primeira vez a tão famosa Inca Cola acompanhada de um delicioso frango com arroz e salada. Talvez isso não signifique nada, mas lembro desse dia até hoje (e ainda tirei foto pra lembrar). Ainda falo com saudosismo sobre o assunto.

Foi ali que  vimos o final de uma civilização e os seus resquícios. Triste, não é? Entretanto, se o destino das construções foi o que foi, posso dizer que os costumes, dialetos, culinária, arte e influência inca ainda perduram. Bastava olhar para as pessoas que podíamos ver que a colonização não havia apagado tudo, os incas haviam deixado um legado. Esse pra mim foi o motivo de ter amado Cusco. A mistura entre culturas e história vivida na pele, ao vivo e a cores.

O que você achou?

Adoraria saber sua opinião, sugestões e perguntas nos comentários abaixo.

Oi, me chamo Marcos Amaral

Viajar pra mim sempre foi mais do que somente ir para outro lugar, tirar fotos ou contar o número de países que já visitei. Pra mim, viajar é viver experiências, sentir sensações únicas. Adoro escrever sobre elas. Mais do que um relato, tento traduzir o que vivi pra fazer você viajar comigo. Sou casado com a Gabriela e hoje, viajamos pelo mundo em busca de experiências únicas.

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Comentário