Muitas pessoas vêm para Hoi An, no Vietnã, pela sua arquitetura, campos de arroz e principalmente pelas suas luzes e lanternas que iluminam a noite e trazem um ar mágico a cidade. Confesso que escolhi visitar a cidade por conta disso tudo. Não esperava no entanto que o que mais me surpreenderia seria o céu.

Chegamos em uma terça-feira no início da tarde. Fazia muito calor em Hoi An. Calor era talvez uma forma singela de explicar o quão quente estava. Suava sem mesmo está andando. O céu estava aberto em um azul bem leve e o sol brilhava intenso. As casas centenárias em amarelo e suas portas em madeira escura contrastavam de forma harmoniosa com a cor do céu. Era uma bela pintura, delicada e que chamava minha atenção.

Visitamos os principais pontos da pequena cidade velha de Hoi An. O melhor, entretanto, era as suas ruas. Uma mais linda do que a outra. O céu continuava azul bem claro. Uma voz em inglês falava pelas minhas costas que ainda choveria no final da tarde. Olhei para o céu e nada de nuvens. Como poderia chover em um dia tão lindo como aquele?

Minutos depois, olhando para trás, a previsão da pessoa desconhecida era real. Nuvens negras e ameaçadoras se moviam rapidamente na direção da cidade. Os habitantes locais começavam a se preparar para um temporal e  Os lojistas ajustavam os telhados e lonas para se proteger da torrente de água que viria. Pra quem não conhece o clima local, a cena foi um pouco assustadora no começo. Alguns relâmpagos e trovões e as nuvens continuavam a avançar rapidamente. Eram várias nuvens, imponentes. O céu estava agora cinza com múltiplos degradês e o vento ventava forte, ameaçando derrubar as barracas e objetos expostos nas lojas. Era hora de se proteger!

Voltamos correndo para o hotel e lá nos protegemos da chuva. Cheiro de chuva no ar. A chuva aumentava gradativamente, mas no final das contas não foi tão ameaçadora como pensávamos. Foi estimulante. Refrescou o ar e deixou a temperatura mais amena. Foi realmente um presente dos céus.

Passada a chuva, descansamos um pouco mais no hotel e já de noite, fomos conhecer a cidade agora iluminada por suas lanternas. Milhares de turistas disputavam um espaço para fotos com as lanternas nas ruas e becos. Eu? Olhava pro céu. A lua cheia iluminava Hoi An, de longe, mas sua luz era mais forte do que qualquer lanterna artificial naquela noite. Uma noite perfeita de lua cheia e céu limpo. As estrelas, mais tímidas, também participavam do evento. Quem diria que o céu seria para mim o ponto forte de Hoi An?

Deixe seu comentário!

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *